A cúpula menor, voltada para baixo, abriga o Plenário do Senado Federal. A cúpula maior, voltada para cima, abriga o Plenário da Câmara dos Deputados.

Sem sucesso na tentativa de evitar a CPI, governo busca agora a intimidação, dizem senadores

Integrantes da CPI da pandemia verificaram mudança de estratégia do governo, que ameaça usar a Polícia Federal contra governadores e prefeitos. Grupo de senadores independentes e de oposição dizem que não se intimidam

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, leu na terça-feira (13), o requerimento de criação da Covid-19. Apresentado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), o documento estipula que essa comissão parlamentar de inquérito investigará ações e omissões do governo federal no enfrentamento da pandemia e o colapso da saúde no estado do Amazonas no começo do ano.

Leia também:
Bolsonaro está entre os 4% dos não vacinados de sua faixa etária

Integrantes da CPI da pandemia observaram no fim de semana uma mudança na estratégica do governo para tentar frear as investigações.

Segundo senadores, sem conseguir evitar a instalação da comissão, o Palácio do Planalto iniciou um movimento de intimidação para conter os desdobramentos das apurações.

Neste domingo (18), o senador Renan Calheiros (MDB-AL) divulgou uma reação do chamado G6 – grupo de seis senadores independentes ou de oposição. Em entrevista à GloboNews, Calheiros disse que não será intimidado com a notícia de que a Polícia Federal fará uma agenda paralela de investigações.

Leia também:
Ibaneis anuncia vacinação para adolescentes de 14 e 15 anos a partir desta quarta-feira

A informação, publicada pelo colunista Lauro Jardim, do jornal “O Globo”, de que quanto mais avançar a CPI, mais explodirão operações estridentes da Polícia Federal (PF) contra governadores e prefeitos, acabou unindo ainda mais o G6.

O governo tentou, mas não obteve sucesso, mudar integrantes do PSD na CPI para ter o controle da comissão.

O Planalto está tentando, sem sucesso, oferecer cargos no governo e até mesmo apoiar a indicação para a próxima vaga no Tribunal de Contas da União (TCU), em troca de blindagem na comissão.

Leia também:
Vacina: saúde envia doses para toda população adulta do país

O Planalto está tentando ganhar tempo para montar uma estratégia política na CPI e trabalha para adiar em uma semana a instalação da comissão. A pressão está em cima do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

“O presidente do Senado está tentado levar a instalação para a outra semana”, disse ao blog o senador Renan Calheiros.

Mas o G6 cobra o compromisso para a instalação da CPI ainda na quinta-feira (22).

“Vamos instalar a CPI na quinta-feira pela manhã. Já falamos com o presidente Rodrigo Pacheco”, disse o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), indicado para vice-presidência da CPI.

“Na outra semana, a expectativa é de que o relator apresente o seu plano de trabalho e que possamos ter uma primeira audiência envolvendo cientistas. Na sequência, teremos que ouvir os ex-ministros da Saúde”, completou.

Print Friendly, PDF & Email