Sinal vermelho: Estabelecimentos comerciais do DF podem se cadastrar para ajudar mulheres vítimas de violência

Com a Campanha Sinal Vermelho, donos de hotéis, condomínios, farmácias e supermercados em todo o DF poderão ser voluntários no programa

Mulheres vítimas de violência doméstica podem pedir ajuda por meio de um sinal de “x” na palma da mão. O Projeto de Lei 741/21 criou o programa de cooperação “Sinal Vermelho contra a Violência Doméstica. Nesta semana, o governo do Distrito Federal começou a cadastrar estabelecimentos que poderão ser usados como pontos de denúncia. Hotéis, farmácias, mercados e condomínios são alguns dos espaços que podem fazer parte da iniciativa.

Leia também:
GDF lança campanha "Dignidade Feminina"

Para participar, os donos dos locais ou entidades representativas precisam enviar o pedido para o e-mail: sinalvermelho@mulher.df.gov.br, após o cadastro, os funcionários dos estabelecimentos serão capacitados sobre como agir caso uma mulher peça socorro.

“É importante que os estabelecimentos comerciais se engajem e participem, visto que essa campanha faz parte de uma luta da sociedade”, diz a secretária da Mulher, Ericka Filippelli.

O código era usado apenas em farmácias cadastradas na campanha “Sinal Vermelho”.

É uma ação criada pelo Conselho Nacional de justiça (CNJ) e pela Associação do Magistrados Brasileiros (AMB), em junho de 2020.

Leia também:
Setembro teve menor número de crimes contra a vida em 22 anos

Agora, o DF passou a contar com o programa Cooperação e Código Sinal vermelho. A norma prevê que atendentes dos estabelecimentos coletem o nome e o endereço da vítima, prestem apoio e entrem em contato com as autoridades policiais.

“A campanha busca alcançar as mulheres que não conseguem chegar até as delegacias ou fazer o registro on-line para denunciar que estão em uma situação de vulnerabilidade extrema”, diz Adriana Romana, delegada-chefe da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM).

Campanha

De acordo com a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), a Polícia Militar, a Polícia Civil e as secretárias da Mulher e de Segurança Pública, que fazem parte da campanha, após o cadastro, os funcionários dos locais serão capacitados por meio de vídeos e de cartilha.

“Quem receber a denúncia precisa manter a calma para evitar chamar a atenção do suspeito de agressão caso ele esteja no local”, dizem os organizadores da capacitação.

Telefones para denúncia

Leia também:
Setembro teve menor número de crimes contra a vida em 22 anos

Polícia Militar – 190

Polícia Civil – 197

Central de Atendimento à Mulher – 180

Print Friendly, PDF & Email